fbpx
Política‎

UNITA defende o diálogo para solução dos problemas | Política | Jornal de Angola – Online

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Política

Casimiro José | Sumbe

O presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, reafirmou, ontem, no Sumbe, a disponibilidade do partido no diálogo construtivo que conduza à resolução dos problemas nacionais.

Imagens: Divulgação
Presidente da UNITA presidiu ontem, no Sumbe, ao acto central do 54º aniversário do partido
Fotografia: Camilo Fernando | Edições Novembro

Ao discursar no acto central das celebrações do 54º aniversário da fundação da UNITA, assinalado ontem, Adalberto Costa Júnior vincou que o partido não tenciona a partilha do poder, mas criar um debate sério para o alcance de entendimentos sobre os interesses que dizem respeito a todos. 

“Quando falamos de diálogo construtivo não estamos a almejar a partilha do poder, mas sim termos um debate das grandes questões que precisamos de ultrapassar, sobretudo na criação de um ambiente que nos conduza à reforma do Estado”, disse o político, considerando que a Constituição em vigor não permite o exercício pleno da democracia em Angola.
O líder da UNITA defendeu que o país precisa de alternância política para evitar a tomada das instituições pelo partido que governa. Defendeu, igualmente, a lisura dos processos eleitorais como a única via para o aprofundamento da democracia em Angola. “Angola precisa de alternância política e o partido que governa tem de dar abertura para se evitarem as maiorias absolutas, que são o principal inimigo da democracia”, frisou.
Adalberto Costa Júnior apontou a UNITA como a pioneira na luta contra a corrupção, pois, disse, desde sempre, foi denunciando o estado de coisas agora identificadas. “Desde há muito tempo a UNITA foi apelando à necessidade da luta contra a corrupção e se hoje o partido que governa quer fazer desse combate como sua agenda, já é bom”, frisou.
Quanto à trajectória da UNITA na cena política nacional, Adalberto Costa Júnior considerou-a uma “marcha vitoriosa”. Apontou como divisas do partido a implantação, em Angola, do multipartidarismo, da economia de mercado, da defesa sobre a igualdade e mesmas oportunidades entre os angolanos, entre outras conquistas.
O líder do maior partido da oposição considerou que os valores que estiveram na base da fundação da UNITA, a 13 de Março de 1966, continuam actuais nos marcos do “Projecto Muangai”, que contempla os princípios da liberdade e independência total para os homens e para a pátria, democracia assegurada pelo voto do povo, através de vários partidos, soberania expressa e impregnada na vontade do povo, igualdade


de todos os angolanos na pátria do seu nascimento e priorizar o campo para beneficiar a cidade.
Entre “as epopeias de luta” desenvolvidas pela UNITA, Adalberto Costa Júnior citou o papel na aproximação com outros movimentos de libertação, que conduziu à assinatura dos Acordos de Alvor, em Portugal, a 31 de Maio de 1991. Outro papel determinante, disse, foi da assinatura do Memorando de Entendimento, complementar ao Protocolo de Lusaka, que pôs fim ao conflito armado em Angola.

Reunificação do partido
O presidente da UNITA reiterou a necessidade de se desencadear um amplo processo de reunificação do partido, como a divisa da acção durante o seu mandato. “Temos de trabalhar arduamente para unificarmos o nosso glorioso partido, e só assim sairemos fortes para os grandes desafios do presente e do futuro”, disse.
Adalberto Costa Júnior considerou que a UNITA é “a esperança dos angolanos”, razão pela qual, defendeu, deve constituir-se numa força catalisadora, capaz de interpretar os anseios das populações, da realização de suas vidas e alcance das oportunidades para o seu bem-estar.
O político considera ser imprescindível a execução, pelo seu partido, de um projecto de sociedade capaz de dar resposta aos problemas dos angolanos, uma divisa possível apenas com a união de todos.
A situação social e económica que o país atravessa é, na visão do presidente da UNITA, a consequência da desonestidade dos governantes que, segundo ele, “desfalcaram os cofres do Estado para os interesses pessoais”.
Por ocasião das celebrações do 13 de Março, o Comité Permanente da Comissão Política da UNITA emitiu uma declaração na qual reitera a determinação do partido na contínua luta política, tendente à realização dos interesses dos angolanos.
“É incontornável a transformação da democracia formal em democracia efectiva, na qual se revela a coesão nacional, a revisão dos símbolos nacionais e a valorização das instituições que propiciem a alternância no exercício do poder”, lê-se na declaração.

Fonte

Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios