Brasil e o Mundo

Por que o Brasil não conseguiu ser como a Austrália na pandemia?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Brinquedo em forma de coala interditado na Austrália. Crédito: Pixabay

A primeira frota de colonizadores britânicos chegou à Austrália em 1788 para estabelecer uma colônia penal. Em 1901, o país, continental de 7,7 milhões de Km2 e hoje com 25 milhões de habitantes, se tornou uma democracia parlamentarista.

Quase metade da Austrália é constituída por desertos, e o clima é parecido com o do Brasil. Lá o novo coronavírus chegou mais cedo, em 24 janeiro. O governo do Partido Liberal, conservador, uniu o país, com uma estratégia de testagem diagnóstica maciça, “clínicas de febre” para atendimento, restrição de movimentos de grupos e fechamento do negócio não importante. Até aplicativo de celular criaram.

No pico das restrições, as pessoas só podiam trespassar para ir ao médico, farmácia ou supermercado. Em razão da gestão e unidade na ação, a Austrália contabilizava 7.834 casos e 104 óbitos em 30 de junho.

O Brasil, no mesmo dia, com uma população oito vezes maior, tinha mais de 1,4 milhão de casos, com 59.656 mortes. O Espírito Santo, com um sexto da população australiana, tem 16 vezes mais óbitos e 6 vezes mais casos. Onde erramos?

Perdemos tempo valedoiro discutindo se a doença era importante ou invenção da mídia; se o perceptível era isolar ou enfrentar. Até hoje proliferam kits os mais variados para tratar ou prevenir a doença. Trata-se de puro desperdício de vontade com foco nas questões erradas.

Em razão da pouquidade de gestão de crise do governo federalista, Estados e municípios adotaram medidas duras de restrição cedo, em diversos locais. Em consequência, a maioria das cidades do Brasil parou em momentos diferentes da subida da curva de contaminação, de modo ineficiente, sob bombardeio frequente de um debate extenuante e polarizado.

O confinamento exauriu o ânimo das pessoas e muitas cidades estão flexibilizando no pico da epidemia. O governo também não teve desembaraço e eficiência necessárias para prover a tempo o enorme transitório de trabalhadores informais de baixa renda.

Enfim, desperdiçamos o momento ideal de isolamento mais vigoroso que conseguisse de indumentária interromper a ergástulo de transmissão da Covid-19. Permanece o repto de, até termos uma vacina disponível, manter medidas de proteção (máscaras) e distanciamento provável nesta atabalhoada volta ao normal, ou iremos conviver com muitas mortes ainda. O prolongamento desta agonia também não é bom para a economia.

Fonte

Etiquetas
Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios