fbpx
Brasil e o Mundo

Onda de cortes na projeção do PIB do Brasil em 2020 ganha força

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Barclays, Citibank, BNP Paribas e MUFG Brasil revisaram para baixo as suas estimativas na última semana

São Paulo – Vem ganhando força uma onda de cortes das previsões de crescimento da economia brasileira em 2020.

Só na última semana, os bancos Barclays, Citibank, BNP Paribas e MUFG Brasil revisaram para baixo as suas estimativas, se somando a um grupo que já contava com UBS, JP Morgan e Santander.

A tendência também apareceu no ultimo Boletim Focus, pesquisa semanal realizada pelo Banco Central para medir as expectativas do mercado, onde a projeção para o PIB este ano foi de 2,3% para 2,23%.

As revisões ameaçam repetir um fenômeno que vem desde 2017. As projeções começam o ano apontando um crescimento de 2% e depois são cortadas sucessivamente até chegar ao patamar de 1%.

Veja as revisões na tabela:

Previsão anterior Previsão atual
MUFG Brasil 2,8% 2,2%
UBS 2,5% 2,1%
Santander 2,3% 2,0%
Barclays 2,3% 2,1%
Citibank 2,2% 2,1%
BNP Paribas 2,0% 1,5%
JP Morgan 2,0% 1,9%
BNP Paribas 2,0% 1,5%

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, afirmou na segunda-feira que o governo não vê razão para alterar a sua projeção, hoje em 2,4%.

Outras instituições financeiras também estão mantendo suas projeções, como o Itaú Unibanco, que prevê crescimento de 2,2% em 2020.

De acordo com uma pesquisa divulgada nesta semana pelo Bank of America, 90% dos investidores ficariam decepcionados se o crescimento do PIB não atingisse sequer 1,5%, enquanto metade se frustraria mesmo com um resultado abaixo de 2%.

Razões

As revisões mais recentes tem duas raízes principais. A primeira é que os dados de atividade do final do ano passado vieram mais fracos do que o esperado, incluindo a prévia do PIB divulgada pelo BC.

A segunda é a incorporação nos modelos do impacto da epidemia de coronavírus sobre a economia chinesa, que absorve 30% das exportações brasileiras.

“O coronavírus tem impacto em três frentes: reduz exportações do Brasil, diminui a renda do setor exportador por causa da queda dos preços das commodities e pode trazer problemas de produção em alguns setores”, disse Carlos Pedroso, economista sênior do MUFG Brasil.

O BNP Paribas, o mais pessimista, cortou sua projeção de crescimento da economia chinesa neste ano de 5,7% para 4,5%.

Além da questão externa, já no início do ano o banco notava que a recuperação da economia brasileira avançava em duas vias, cada uma com uma velocidade diferente.

Pela “pista expressa”, vão as regiões menos dependentes do setor público, crescendo a uma taxa anual de 2,5% ou mais. Pela “pista local” vão as demais, praticamente estagnadas em uma taxa anual de 0,5%.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Fonte

Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios