fbpx
Ciência e tecnologia

OMS: O Brasil e todos os países devem se basear na ciência

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Michael Ryan, diretor do programa de emergência da Organização Mundial da Saúde, afirmou que entidade tem apoiado o Brasil e outros países das Américas na luta contra a pandemia

  • separator

Um dia após a demissão do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi questionada sobre sua avaliação e voltou a afirmar que a ciência deve basear a tomada de decisão de políticas públicas.

“É essencial que não só o Brasil, mas todos os governos, tomem decisões baseadas em evidências e tenham uma resposta do governo inteiro e da sociedade inteira ao responder à pandemia de covid-1”, afirmou o diretor do programa de emergência da OMS, Michael Ryan.

Ryan afirmou ainda que a OMS vai focar em fornecer apoio técnico, operacional e científico ao Brasil, por meio da Organização Pan-Americana de Saúde, o escritório regional da OMS para as Américas. “(Queremos) fazer isso consistentemente, sem falhas, em apoio ao Brasil e a todos os países das Américas como um todo”. A entidade afirmou que está apoiando o Brasil desde janeiro e agradeceu Mandetta pelos serviços prestados.

Mandetta foi demitido na quinta-feira após semanas de desentendimentos com o presidente Jair Bolsonaro sobre a melhor forma para combater o coronavírus. O presidente defende acabar com as quarentenas e medidas de distanciamento social, enquanto o ex-ministro era favorável a manter a restrição de movimentação de pessoas para reduzir a disseminação do vírus da covid-19.

Veja mais:

‘Não é gripezinha’: o que dizem os curados do coronavírus

Por que usar máscara contra a covid-19? Médico responde

O drama das periferias brasileiras em meio à pandemia

 

Estadão

  • separator

Fonte

Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios