Mato Grosso do Sul, Três Lagoas

‘Cura gay’ ainda tem sido polêmica nas redes sociais

As redes sociais têm sido espaço para desabafo e indignação das pessoas, por causa da decisão da Justiça Federal foi de conceder liminar que autoriza psicólogos a atenderem eventuais pacientes que busquem terapia para reorientação sexual. A liberação da ‘Cura Gay’ tem gerado polêmica nas redes sociais, em Três Lagoas.

Em entrevista a reportagem do Nota Diária, Davi Masther, 25, militante da LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), e também acadêmico do curso de Letras da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), de Três Lagoas, conta que vem lutando há quase sete anos lutando pelo seus direitos e respeito dentro da sociedade.

Indignado disse que ficou surpreso, pois sentia que a sociedade estava avançando com o passar do tempo, apesar dos passos largos. “Na pauta dos direitos das pessoas LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transvestigêneros, Queers, Intersexuais e outros) não imaginei que a esta altura do campeonato teríamos que debater um assunto que foi superado no final do século passado”.

De acordo com Davi, é compreensível entender que a sexualidade é como uma construção social e que está presente na vida de todos, em diversas formas de representações e que também entende que é dever de todos zelar pelo respeito para obter um bom relacionamento.

“Homossexualidade não é doença é mais uma forma de relacionar-se com o outro. E por tanto deve ser respeitada como tal”, expressou.

E finalizou, “Gostaria sinceramente que a sociedade refletisse sobre o impacto de uma decisão dessa sobre a vida de milhares de pessoas, pois abre precedentes para diversas interpretações. A homossexualidade deve ser vista como uma prática social que permeia a humanidade há muito tempo”.

Send this to a friend