fbpx
Capital

Mochila entregue à família tem marca da bala perdida que matou eletricista

Mãe disse que Adriano tinha sonho de se casar na igreja Perpétuo Socorro com a mulher com quem vive há 17 anos

Mochila usada pela vítima tem marca do tiro em uma das alças. (Foto: Direto das Ruas)
Mochila usada pela vítima tem marca do tiro em uma das alças. (Foto: Direto das Ruas)

Em uma das alças da mochila entregue à família, a marca do tiro que tirou a vida do trabalhador Adriano Medeiros Pereira, de 33 anos. Pela bolsa preta que guardava ferramentas, agora suja de sangue e terra, passou a bala perdida que atingiu o tórax do motociclista que seguia  para o serviço na manhã desta sexta-feira (27).

Insonsolável, dona Sônia pede Justiça pELO FILHO. (Foto: Kísie Ainoã)
Insonsolável, dona Sônia pede Justiça pELO FILHO. (Foto: Kísie Ainoã)

Agachada em frente a casa de número 63, no Jardim Centenário, dona Sônia Ferreira Medeiros ainda tentava organizar na mente as informações que lhe caíram muito pior que um soco no estômago. Aos 50 anos, a mulher que trabalha com reciclagem era amparada por uma vizinha enquanto oscilava as reações entre o choro e a indignação pelo crime.

“Entreguei na mão de Deus e sei que a Justiça divina vai ser feita, mas também, quero que a polícia pegue logo quem fez isso. Tem câmeras que mostram quem é. Quero Justiça pelo meu filho”, afirma.

Ao Campo Grande News, Sônia contou sobre a última vez em que falou pessoalmente com o filho, no domingo de Dia das Mães. “Ele veio me buscar e almoçamos juntos. Estava feliz, sorrindo e brincando como ele sempre fazia. No fim do almoço, entregou meu presente: uma orquídea para completar a coleção que tenho”, conta.

Sônia e Adriano sorrindo em foto tirada no Dia das Mães. (Foto: Kísie Ainoã)
Sônia e Adriano sorrindo em foto tirada no Dia das Mães. (Foto: Kísie Ainoã)

Descrito como um com filho, homem trabalhador e irmão maravilhoso, Adriano mantinha relacionamento de 17 anos com a esposa. De acordo com a mãe, o sonho do rapaz era se casar na Igreja do Perpétuo Socorro. “Nossa família é católica e ele queria se estabilizar para casar na igreja”, revela.

Enquanto a equipe de reportagem falava com dona Sônia, a irmã e uma tia da vítima chegaram à casa abaladas e chorando muito. “Não vamos deixar que esse crime caia no esquecimento. Queremos Justiça”, comentou a tia, a técnica em segurança Ana Lúcia Medeiros, de 44 anos.

Por causa da distância, o pai de Adriano, que mora em Rondônia, não conseguirá vir ao velório e sepultamento do filho.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

O caso – Luiz da Conceição é dono de um lava-jato e foi assassinado com tiro na cabeça na manhã desta sexta-feira (27), quando chegava para trabalhar na Avenida das Bandeiras, com a Rua Bom Sucesso, Jardim Jockey Club, em Campo Grande.

Próximo dali, a 60 metros de distância, Adriano Medeios Pereira, de 33 anos, também foi encontrado morto. Ele era eletricista e passava no local no momento, quando foi atingido por uma bala perdida, conforme a polícia.

Testemunhas contaram ao Campo Grande News que o atirador aguardava a chegada do empresário em uma moto junto com um comparsa. “O alvo era o proprietário do lava-jato. Tudo indica que o motociclista apenas passava pelo local”, explicou.

Fonte

A URL curta deste artigo é: https://notadiaria.com.br/oXKjn
Mostre mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo