fbpx
Brasil e o Mundo

Há quatro anos, o Brasil se livrava de Dilma Rousseff – ISTOÉ Independente

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há mais de 500 anos somos uma sucessão de erros. Sim, o Brasil até nasceu para dar manifesto, mas, coitado, pegou uma estrada errada e dela nunca saiu. Ao contrário. Insiste repetidamente em manter-se firme no caminho do demorado e do subdesenvolvimento.

Um dos nossos maiores e mais grotescos erros, sem incerteza alguma, chama-se Dilma Vana Rousseff. Eleita e reeleita presidente da República, impichada durante o segundo procuração, afundou o País na sua maior recessão econômica e atirou quase 15 milhões de brasileiros no desemprego.

De estocar vento a saudar mandioca, passando por mulher sapiens e caçadora de mosquita, não há termo ou frase amalucada, sem sentido, que não tenha saído, truncada e inacabada, daquela cabecinha “luzente”. O pior é que seu governo não era nem um pouco dissemelhante.

Comemoramos a data do nosso promanação e outras datas históricas. Lamentamos as datas tristes e homenageamos os mortos. Seria o impeachment do poste lulista uma data a se comemorar? Sem incerteza. Nesta mesma semana, quatro anos detrás, o Brasil expurgou da Presidência a figura mais, digamos, exótica, e inapropriada que já se aboletou no Planalto.

Mas a comemoração não deve ser efusiva. A despeito do que nos livramos, se olharmos para Brasília veremos que não mudamos tanto assim. Bolsonaro não nos traz melhores dias em termos de notícia e, por que não?, cognição. E mais: seu caminho lembra muito o traçado pela petista.

O mito prometeu combater a prevaricação. Mentiu. Prometeu enxugar e modernizar o Estado. Mentiu. Prometeu não lotear cargos e salários. Mentiu. Prometeu não se confederar a partidos e parlamentares corruptos. Mentiu. Prometeu austeridade fiscal… Mentiu! Tal qual Rousseff, Bolsonaro é um estelionatário eleitoral. Resta saber se, uma vez reeleito, colherá o mesmo direcção.

Veja também

+ “Ela poderia ter me alertado antes”, diz Rafa Kalimann sobre visitante de Gabi Martins

+ Auschwitz: as estratégias das mulheres judias para escapar dos nazistas

+ Qual foi o primeiro Land Rover?

+Brad Pitt lança champanhe de R$ 2.150 feito na França

+O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea



Fonte

Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios