fbpx
Brasil e o Mundo

Em plena pandemia, Brasil padece sob pressão do lobby do serviço público

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil | Arquivo

Com a pandemia, o planeta inteiro está sob pressão, em meio a decisões drásticas compartilhadas por diferentes governos que afetam o comportamento das pessoas como não se testemunhou por gerações. Fundamentadas em ações para preconizar o distanciamento social, as medidas como o fechamento do comércio desagradam a certos setores econômicos e prejudicam os mais desassistidos, mas se tornaram providências indeclináveis para, emergencialmente, salvar vidas.

No Brasil, a grita se repete, mas o que impressiona mesmo por aqui é a capacidade de proteção dos interesses do serviço público por grupos de pressão política. É simplesmente impossível superar essa barreira, mesmo durante uma crise de saúde pública tão avassaladora. Não há lobby com maior poder de imunidade neste país.

Esta quarta-feira (06) revelou mais um desses episódios notáveis em que a política brasileira se viu refém dessa influência, quando aprovou-se no Senado o socorro de R$ 120 bilhões a Estados e municípios. A ajuda exige uma contrapartida: o congelamento de salários de servidores por 18 meses. Durante um intervalo curto, os professores estiveram entre as categorias passíveis de não terem reajuste durante um ano e meio, mas durou pouco: a pressão foi tanta que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, retirou-os do texto na segunda versão. Eles passaram, então, a incluir a lista dos imunizados, que poderão ter aumento no período.

Policiais federais, rodoviários federais, ferroviários federais, civis, militares e corpos de bombeiros militares; servidores das Forças Armadas;  técnicos  peritos criminais; guardas municipais; agentes socioeducativos; profissionais de limpeza urbana; assistentes sociais; profissionais de saúde; profissionais de serviços funerais; e professores.   

Essas categorias, consideradas essenciais durante a pandemia, ficaram de fora do sacrifício. Mesmo que se faça necessária distinção entre a elite do funcionalismo e os serviços públicos menos favorecidos, vale sempre ressaltar que o que se pede não é o corte de salários, apenas a sua estagnação temporária. Enquanto isso, na iniciativa privada, o trabalhador, quando não perde o emprego, pode ter até 75% da jornada reduzida e, consequentemente, um encolhimento  considerável dos proventos.  Empresários e profissionais liberais podem ter ganho zero em determinadas circunstâncias. E os invisibilizados pela informalidade e os desempregados seguem virando a noite na fila da Caixa. Os sacrifícios, definitivamente, precisam ser democratizados.

O próprio Alcolumbre contemporizou, no início da sessão: “O que nós estamos pedindo é uma colaboração, uma contribuição, uma participação. Eu escuto as pessoas falarem de injustiça com servidor. A proposta era reduzir 25% do salário dos servidores públicos do Brasil”. Infelizmente, repetiu-se o que a Câmara já havia decidido, estabelecendo a blindagem das categorias.

É o que o contribuinte também deseja, que todos se exponham nesse momento socialmente tão frágil. Mas, como é de praxe, ninguém consegue se voluntariar, apenas apontar o dedo para o outro. O que falta é se atinar para o fato de que todos estão no mesmo barco. Aqueles que conseguiram um colete salva-vidas, artigo cada vez mais escasso,  ainda não se deram conta de que eles têm tudo para acabarem, sozinhos, em uma praia deserta, sem chances de resgate.

Fonte

Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios