fbpx
Geral

Em 5 meses, número de empresas abertas no Estado já passa de 50% do total de 2021

Entre janeiro e maio deste ano, nada menos que 18.690 novas empresas – incluindo os microempreendedores individuais – foram abertas em Mato Grosso do Sul. De acordo com dados do Mapa Empresarial do Ministério da Economia sistematizados pela Coordenadoria de Estudos e Pesquisas da Funtrab, em 2021, o número de empresas abertas no Estado foi de 35.770. Já nos cinco primeiros meses de 2022 (janeiro a maio), o número de empresas de pequeno e médio portes e microempresas chegou a 18.690, mais da metade do úmero de novos empreendimentos ativados no ano passado, indicando que o ritmo crescente na abertura de novos negócios deve se manter.

No ano pré-pandemia, 2019, foram abertas 29.179 empresas e microempresas (4.157 firmas de portes médio e pequeno). A explicação está no desempenho da economia e atuação do Governo do Estado durante a pandemia. Para o governador Reinaldo Azambuja, um dos fatores para o bom desempenho da economia e projeção positiva de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), foi o investimento em obras estruturantes, de transporte e logística, a performance do agro, uma das atividades econômicas menos afetadas pela pandemia, além das medidas emergenciais, que permitiram a travessia do período pandêmico e atenuaram os efeitos da crise, permitindo a retomada segura.

Desempenho da economia e atuação do Governo do Estado durante a pandemia concretizou resultados positivos

Quanto ao mercado de trabalho formal, que reage conforme o crescimento da economia, no pior ano, 2020, a geração de empregos caiu pela metade em relação a 2019. Foram criados 12.599 empregos no ano pré-pandemia. Em 2020, com a economia praticamente parada, o número de novas vagas não passou de 6.437. Mas os investimentos em novos negócios se mantiveram, com destaque para os microempreendedores individuais, que aumentaram em razão do surgimento de novas oportunidades no setor de serviços. Muitas das pessoas que perderam emprego com carteira assinada optaram por abrir seu próprio negócio, principalmente no setor de alimentos.

De um total de 29.179 novas empresas e MEIs em 2019, o número saltou para 32.851 no ano da pandemia sem vacina. Já em 2020, puxada pelos setores da saúde, medidas emergenciais e bom desempenho do agro, a quantidade de os novos negócios somou 35.770. Com o número de 18.690 novos negócios, dos quais 17.617 são microempresas, há perspectiva de que a estatística do ano passado seja superada.

Governador Reinaldo Azambuja afirma que mudanças estruturais ajudaram nos resultados (Foto:Chico Ribeiro)

Para o governador Reinaldo Azambuja, as mudanças estruturais ajudaram a enfrentar as crises conjunturais e a economia do Estado se desenvolve porque há ambiente favorável.

“Entende-se por ambiente favorável a infraestrutura, a logística, localização, políticas indutoras, políticas públicas de segurança, saúde, educação, meio ambiente e solidez fiscal. Contas equilibradas e liquidez, capacidade do Estado em honrar seus compromissos. É nesse ambiente que os investidores preferem instalar seus empreendimentos, investir seu capital. Quando uma empresa investe o faz pensando no lucro e a lucratividade torna o empreendimento mais competitivo. Nenhuma empresa, porém, funciona sozinha, daí o aspecto social, porque, na realidade, uma empresa que investe, aumenta seu parque industrial, está, sem dúvida, criando condições de aumentar a sua produtividade, aumentar emprego e renda, sem considerar a cadeia produtiva, o transporte, a logística e tudo mais que se agrega nesse processo”.

Reinaldo Azambuja acredita que as projeções de crescimento do PIB devam se confirmar, com previsão de crescimento de 4,7% no acumulado de 2020-2022, baseado no desempenho do agro, da indústria, comércio e setor de serviços.

Há também o fator da perspectiva do mercado futuro, a partir da melhoria da logística ao setor externo. Com o avanço do Corredor Bioceânico, o novo acesso do Brasil ao mercado asiático pelo Pacífico abre uma nova perspectiva. A rota Ásia-Pacífico vai desencadear outros processos de desenvolvimento, segundo o governador. “Não vai significar apenas desenvolvimento econômico, mas uma grande janela de oportunidades, de integração social e cultural, integração comercial que vai desencadear muitas ações e atividades, incluindo aí o turismo”.

Edmir Conceição, Subcom
Foto destaque: Arquivo Subcom

Fonte

A URL curta deste artigo é: https://notadiaria.com.br/ccgd4
Mostre mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo