fbpx
Brasil e o Mundo

Casos de coronavírus se aproximam de 350 mil no Brasil

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

País registra 965 mortes e 16.508 infecções em 24 horas. Total de vítimas já passa de 22 mil, enquanto número de casos faz do Brasil a segunda nação do mundo com mais infectados, atrás somente dos EUA.O Brasil registrou 965 mortes e 16.508 casos confirmados de covid-19 nas últimas 24 horas, segundo informou o Ministério da Saúde na noite deste sábado (23/05). O total de vítimas chega agora a 22.013, enquanto o número de infecções se aproxima de 350 mil.

Segundo Ministério da Saúde, seguem em investigação 3.534 mortes suspeitas de covid-19

Foto: DW / Deutsche Welle

Com exatos 347.398 casos, o país é o segundo do mundo em número de pessoas infectadas, atrás somente dos Estados Unidos, que já soma mais de 1,6 milhão de casos. Os EUA também são o país com mais mortos, com mais de 97 mil vítimas. Outros quatro países registram mais óbitos por coronavírus do que o Brasil: Reino Unido, Itália, Espanha e França.

O Ministério da Saúde informou ainda que 142.587 pacientes se recuperam da doença, enquanto 182.798 pessoas estão em acompanhamento. Também seguem em investigação 3.534 mortes suspeitas de covid-19, mas cujas causas ainda não foram determinadas.

São Paulo segue sendo o estado mais afetado, somando 80.558 casos e 6.045 mortes. Em meio à crise, o governador João Doria usou as redes sociais para comemorar o número de pessoas recuperadas. “Parabéns aos médicos, enfermeiros e profissionais de saúde pela dedicação e empenho na luta para salvar vidas. E parabéns também a cada um dos 15.296 pacientes pela vitória. Uma conquista da saúde e da medicina”, escreveu no Twitter.

O Rio de Janeiro é o segundo estado com mais mortes, com 3.905 vítimas, mas tem menos casos confirmados do que o Ceará: 34.533 infecções, ante os 35.122 casos no estado nordestino, que soma ainda 2.308 mortes até agora.

O governador do Rio, Wilson Witzel, defendeu a eficácia das medidas de isolamento social adotadas no combate à doença e informou que, sem o controle sobre a circulação de pessoas, o estado teria neste momento pelo menos 19 mil mortos, citando projeções do governo estadual.

Autoridades em saúde de todo o Brasil destacam que o número de casos e de mortes no país possivelmente é muito mais alto. Entre os dez países com mais casos confirmados da doença, o Brasil é o que, proporcionalmente, menos testa a população.

Além disso, alinhado com o presidente Jair Bolsonaro, que várias vezes negou a gravidade da crise, o Ministério da Saúde passou a dar ênfase ao número de recuperados ao divulgar os dados diários da doença, apenas mencionando o número de mortes e de novas infecções.

Na última terça-feira, o Brasil ultrapassou pela primeira vez as mil mortes diárias, registrando 1.179 óbitos em 24 horas. O recorde de mortes ocorreu na quinta-feira, com 1.188 vítimas.

O aumento nos números coincide com a ausência de um titular no Ministério da Saúde. O posto está vago desde 15 de maio, quando Nelson Teich pediu demissão após ficar menos de um mês na função, em meio a discordâncias com Bolsonaro sobre medidas relacionadas à epidemia. Desde então, o cargo vem sendo ocupado interinamente pelo general Eduardo Pazuello.

Na última sexta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a América do Sul está se tornando o novo epicentro da pandemia de covid-19 e citou o Brasil como o mais afetado.

EK/lusa/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| App | Instagram | Newsletter

Veja também:

Procuradoria abre investigação sobre vazamento de informações da ‘Furna da Onça’ a Flávio Bolsonaro

Deutsche Welle
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

  • separator

Fonte

Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios