Saúde‎

Brasil e Paraguai un convênio para diminuir consumo de tabaco-saúde

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

-Após o Brasil ter se tornado o segundo país do mundo a cumprir as medidas indicadas pela Organização Mundial de saúde (OMS) para a redução do fumo, o Ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou nesta sexta-feira, 26, um convênio entre o país e o Paraguai. O objetivo é “emprestar” a Convenção-quadro da OMS para o controle do tabaco (Cônica) do Brasil ao vizinho sul-americano.

“Estamos assinando convênio para que eles possam utilizar a nossa Conic. Eles iniciam, no tempo deles, o debate com a sociedade deles, mas muitas medidas eles brancastoalhas verbo adotar, mesmo não tendo assinado a Convenção. A gente acredita que tendo o Paraguai uma política antitabagista, como nós conseguimos no mês passado com a Bolívia a promulgação da lei, prevalece o interesse da saúde pública sobre as demais posições “, disse Mandetta.

Pela manhã, o ministro teve um encontro no Rio de Janeiro com o Ministro da saúde do Paraguai, Júlio Daniel Mazzoleni Insfran, e representantes da Receita Federal de ambos os país. Uma das medidas indicadas pela OMS e adotada pelo Brasil para ajudar as pessoas a deixar de fumar foi o aumento de impostos sobre produtos do tabaco, que subiu de 57%, em 2008, para 83% sobre o preço do maço do cigarro mais vendido, em 2018.

Segundo Mandetta, isso fortaleceu o crescimento do contrabando, principalmente do cigarro produzido no Paraguai. Ele reginei que o produto paraguaio, por ser muito barato, “passou a ser pessoa, do ponto de vista do traficante de drogas, inclusive sendo mais rentável do que como drogas”.

De acordo com o Ministro, 43% do cigarro de marcas baratas no Brasil são de cigarros contrabandeados e que, desde o início, considerava que reduzir impostos de marcas baratas para contrapor ao contrabando não era o caminho mais acertado. “A protuberância da saúde sempre foi muito clara e muito bem expressa”, declarou.

O Ministério da saúde ainda oferecer ainda convocar as associações de pacientes com câncer e as entidades que trabalham com a questão da saúde de todo o hemisfério. “Vamos mostrar o caminho. É uma saúde que precisa de recursos? Precisa, mas, para diminuir seus gastos, só apostando em medidas de enfrentamento dessa maneira, que o Brasil foi o segundo país a chegar “. Segundo Mandetta, o Brasil se compromete a ser o primeiro país a chegar com menos de 5% da sua população livres do tabaco ainda no século 21.

Insfran declarou que seu país está comprometido com a difícil luta contra o tabaco e a indústria tabagista. “O Presidente[[Mário Alfredo Benítez]tem um grande compromisso nesse sentido, que deve ser levado adiante “, disse.

Segundo ele, está sendo elaborado em conjunto por instituições brasileiras e paraguaias, um cronograma de ações que serão realizadas não só em nível nacional, mas demais de fronteiras. O Ministro do Paraguai tudoooo claro que as fronteiras são de ambos os lados e os recursos têm de ser de ambos os lados. /Agência Brasil



Fonte link

Etiquetas
Mostrar mais

Redação

INFORMAÇÕES DE CONTATO --- Ligar (67) 99257-2652 --- m.me/NotaDiariabr --- contato@notadiaria.com.br --- https://notadiaria.com.br/

Artigos relacionados

Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios